Em Depressão

Como a depressão pode afetar o tratamento do câncer de mamaEstatisticamente falando, a depressão pode afetar até 25% das mulheres com diagnóstico de câncer de mama – em média 7% desenvolvem este quadro depressivo. Com uma relação estreita de acontecimentos, como a depressão afeta o tratamento do câncer de mama? Acompanhe nosso artigo especial para o Outubro Rosa.

O seio da mulher é recheado de significados: da fertilidade, sexualidade, do nutrir materno, do colo. Neste sentido, a notícia do câncer vem como um baque: a possiblidade de remoção do órgão é devastadora, produzindo diversas reações negativas emocionalmente.

É importante ressaltar a necessidade de quebrar o mito de que danos emocionais causam, por si só, algum câncer. Este tabu se reproduz tanto que se distanciou da explicação científica.

A depressão pode ser impulsionada por quadros de câncer: quando o organismo produz anticorpos para lutar com células cancerosas e estes podem acabar por atingir proteínas das membranas dos neurônios.

O oposto também ocorre: o stress constante mantido em nosso organismo – devido a depressão – pode alterar o funcionamento do nosso sistema imunológico, que desempenha um papel chave no combate às células defeituosas que podem se desenvolver em tumores.

Neste sentido, o que fazer quando o diagnóstico da depressão chega para mulheres com câncer de mama?

Como a depressão pode afetar o tratamento do câncer de mamaÉ fundamental encontrar um psiquiatra com especialização na saúde da mulher. Afinal, independente de radio ou quimioterapia, um tratamento medicamentoso específico para lidar com a depressão precisa ser realizado.

De maneira que o médico especializado terá amplo conhecimento sobre as interações medicamentosas que podem ou não ocorrer dentre os dois tratamentos. Ou seja: as substâncias químicas que estão em uso por conta do câncer de mama não podem atrapalhar as substâncias responsáveis por lidar com a depressão, e vice-versa – nem gerar terceiros efeitos colaterais possivelmente devastadores para o corpo da paciente.

Desta forma, a depressão enquanto inibidora do sistema imunológico exigirá outra gama de medicamentos que não ajam aumentando os efeitos colaterais do tratamento quimioterápico.

Por exemplo, o tamoxifeno é um remédio utilizado para tratar o câncer de mama. Ele inibe a ação do estrogênio nos receptores das mamas. Em caso de interação com certos antidepressivos, este pode ajudar a agravar a depressão enquanto ajuda no câncer de mama.

A par das estatísticas de depressão em mulheres com câncer de mama, procure um psiquiatra com especialização na área da saúde da mulher e conhecimento atualizados sobre os medicamentos mais bem-sucedidos hoje. A LevMind está aqui para você nesse sentido.

Estamos ao dispor para quaisquer dúvidas, com a melhor equipe psiquiátrica da região. Marque uma consulta, conte conosco!

Posts recentes

Deixe um comentário